Agricultores familiares brasileiros contrataram, na safra 2015/2016, R$ 22,1 bilhões de crédito para financiar a produção. A afirmação foi feita pelo secretário especial de Agricultura Familiar e do Desenvolvimento Agrário, José Ricardo Roseno, nesta terça-feira (05), durante o lançamento dos recursos disponibilizados pelo Banco do Brasil ao Plano Safra 2016/2017. Segundo ele, neste ano agrícola, o Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf) chega aos 21 anos de existência com importantes conquistas. “Nesse período foram R$ 160 bilhões em crédito e 27 milhões de contratos realizados em todo país, com uma inadimplência abaixo de 1%. Ou seja, é um investimento no setor que corresponde a 84% dos estabelecimentos rurais brasileiros”, destacou.

Novo ano agrícola

Durante o evento, também foi anunciado que, a partir deste mês, os produtores contarão com R$ 30 bilhões para investimento e custeio da unidade produtiva. Desse total, o Banco do Brasil vai operar R$14,6 bilhões. Para a modalidade de investimento, o Pronaf Mais Alimentos, serão destinados R$ 6,2 bilhões. “O Mais Alimentos é um programa importantíssimo para dar mais qualidade a produção da agricultura familiar. Eu o considero como um dos mais importantes do ponto de vista social que o Brasil desenvolve”, pontuou o vice-presidente de Agronegócios e Micro e Pequenas Empresas do banco, Osmar Dias.

Segundo ele, o programa tem gerado melhorias no campo. “Só no Banco do Brasil foram mais de 1 milhão de contratos no Mais Alimentos. Para mim, é uma alegria sermos um parceiro fiel da produção agropecuária do país, ajudando-os a conquistar um novo momento”, afirmou.

Entre as principais novidades do Plano Safra da Agricultura Familiar 2016/2017, está a redução dos juros de 5,5% para 2,5% aos agricultores que produzem alimentos que compõem a cesta básica do povo brasileiro, tais como, arroz, feijão, café, batata e  trigo. Também se encaixam nessas condições a apicultura, a piscicultura e a criação de ovinos e caprinos.

Plano Safra BB

O valor disponibilizado pelo Banco do Brasil na safra atual é 10% maior do que o ofertado no ano agrícola anterior. Dos R$ 101 bilhões de recursos, R$ 91 bilhões serão voltados ao crédito rural a produtores e cooperativas e R$ 10 bilhões serão destinados a empresas em cadeia do agronegócio. O volume de recursos para a agricultura familiar cresceu 8% em relação à safra passada, quando o valor foi de R$ 13,5 bilhões. Além do Banco do Brasil, o agricultor familiar pode apresentar o projeto de crédito a outras 17 instituições financeiras.

Gabriella Bontempo/ Ascom
Secretária Especial de Agricultura Familiar e do Desenvolvimento Agrário

Fonte : MDA

Compartilhe!