Antes do QR Code, a cooperativa já havia recebido um logotipo, embalagens personalizadas com a marca e até caixas de papelão estilizadas para o transporte das bananas do tipo premium

Cooperativa incorpora QR Code em bananas e aumenta competitividade em Santa Catarina Maykon Lammerhirt/Agencia RBS

Principal função do código é garantir a rastreabilidade dos produtosFoto: Maykon Lammerhirt / Agencia RBS

A adoção de uma nova tecnologia aumentou o otimismo de Valmor Raul de Farias para o cultivo de bananas, ao qual se dedica há 30 anos, em Corupá, no norte catarinense. As frutas produzidas por ele e as 27 famílias da Cooper Rio Novo ganharam um QR Code, código que permite rastrear a localização e o produtor responsável pelos cachos da fruta.

Leia as últimas notícias de Campo e Lavoura

No início, o comprador achou que era desnecessário e só teria mais despesas. Mas mudou de ideia pouco tempo depois, quando os Estados passaram a exigir a rastreabilidade dos produtos agrícolas. Antes do QR Code, a cooperativa já havia recebido um logotipo, embalagens personalizadas com a marca e até caixas de papelão estilizadas para o transporte das bananas do tipo premium.

O trabalho, realizado pelo Núcleo de Gestão de Design (NGD) da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) com a Cooper Rio Novo e outros 50 empreendimentos rurais, busca valorizar a produção e dar uma imagem mais profissional aos produtos da agricultura familiar, a começar pelo registro das marcas.

– Faltava identidade. O que fizemos foi mostrar o potencial do projeto. Agora é um processo gradativo – explica o professor Eugênio Merino, coordenador do NGD e responsável pelos 15 pesquisadores envolvidos na iniciativa.


Agricultores lavam, classificam e embalam o produto, o que garante preço 30% maior pela caixa de frutas (Foto Maykon Lammerhirt, Agência RBS).

A eficiência é outro foco na Cooper Rio Novo. Hoje, os agricultores lavam, classificam e embalam o produto, o que garante preço 30% maior por caixa de frutas sem beneficiamento. Mas nem por isso os investimentos são deixados de lado.

Por meio de programa SC Rural, voltado a manter os jovens no campo e incentivar o empreendedorismo, a cooperativa conseguiu comprar tratores e uma esteira para agilizar o beneficiamento da banana, um computador para o setor administrativo, um gerador de energia e uma câmara frigorífica para climatizar a fruta.

Clima é aliado para reduzir pragas

Santa Catarina é hoje o quarto maior produtor da fruta no Brasil. No ano passado, o Estado colheu 701 mil toneladas de banana. A produtividade é de 23,8 toneladas por hectare, abaixo das 29,4 toneladas no Rio Grande do Norte e das 37 toneladas cultivadas na Índia, país que é o maior produtor da fruta no mundo.

A geografia responde por muito desta diferença, já que a banana é natural de clima tropical. Líder na América Latina, o Equador tem ciclos de seis meses para o amadurecimento da fruta, enquanto o Sul do Brasil precisa de 10 a 13 meses. Mas se o frio reduz a velocidade de maturação,  também espanta grande parte dos parasitas, que exigem a pulverização de agrotóxicos 40 vezes ao ano por lá. Em SC, são apenas seis.

Cuidado com a saúde dos trabalhadores

O estudo do NGD agora explora a ergonomia dos trabalhadores da bananicultura. Recentemente, foram implantados sensores nos braços e nas mãos de dois agricultores para acompanhar todo o trajeto, do plantio até a fase de embalagem.

Os resultados ainda estão em análise. As informações coletadas alertam para os problemas de saúde mais comuns da profissão, principalmente a artrose reumatoide, causada pelo esforço repetitivo.

Segundo Joyce Ribeiro Rothstein, fisioterapeuta e consultora do Sesi, o trabalho de monitoramento permite mensurar a amplitude dos movimentos nos postos de trabalho para realizar uma análise ergonômica e pensar em estratégias que minimizem os impactos.

A equipe de pesquisadores já desenvolveu ferramentas adaptadas para minimizar os danos e, em algumas semanas, devem ocorrer os primeiros testes.

Saiba mais sobre a produção

— O Brasil produz 7 milhões de toneladas de banana por ano e gera 500 mil empregos diretos, sendo 97% pela agricultura familiar.

— Santa Catarina é o quarto maior produtor do país, atrás de São Paulo, Bahia e Minas Gerais.

— Hoje, 71,5% da produção é destinada à Região Sul. O restante é distribuído para Sudeste (26,7%), Centro-Oeste (0,4%), Norte (0,3%) e Nordeste (0,2%).

—7,6 quilos de banana por pessoa eram consumidos no Brasil em 2008, segundo o IBGE.

Por: Débora Remor, de Corupá (SC)

Fonte : Zero Hora

Compartilhe!