A Forjas Taurus, de Porto Alegre, enviou-nos seus esclarecimentos sobre a nota que publicamos, no dia 23, em que o desembargador Gelson Rolim Stocker, da 17ª Câmara Cível do TJ-RS, enviou ao Ministério Público Federal pedido de investigação sobre fatos narrados em ações contra a empresa por um cidadão norte-americano e pela empresa holandesa Hunter Douglas N.V. A Taurus diz que os fatos ali narrados, embora retirados dos autos do tribunal, “não são verdadeiros”.

A empresa explica: “Em 2004, a Taurus arrendou ativos e o imóvel onde estava sediada a Wotan e passou a operar no segmento de máquinas e equipamentos por sua controlada Taurus-Máquinas Ferramenta Ltda. Em 2005, a Hunter Douglas (HD) incluiu a Taurus-Máquinas em uma ação movida contra a Wotan para cobrança de uma dívida, sustentando que a Taurus-Maquinas seria sucessora da Wotan. Em primeiro grau, a ação foi julgada procedente, condenando Wotan e Taurus-Máquinas, na condição de devedora solidária. Durante a tramitação dos recursos, a Taurus e a HD chegaram a um acordo que atende aos interesses de ambas as partes. Por esse acordo, o crédito da Hunter Douglas foi adquirido por uma empresa do Grupo Taurus, a T. Investments, que seguirá buscando ressarcir-se junto à Wotan. Esse acordo recebeu todas as autorizações internas, foi devidamente informado às autoridades competentes e levado a juízo.”

Informações da Taurus II

Quanto ao acordo com o americano Chris Carter, que processou a Taurus por ter lhe vendido, nos Estados Unidos, uma pistola que disparava sozinha, a empresa diz que foi “firmado acordo nos Estados Unidos e amplamente divulgado ao mercado em sucessivos Fatos Relevantes publicados de acordo com a legislação vigente. Este acordo nada tem a ver com o que foi feito com a Hunter Douglas”. A empresa garante que todas as suas operações financeiras e cambiais são realizadas rigorosamente de acordo com a Legislação Brasileira e a dos países onde opera. “Todos os atos da Taurus envolvendo tanto a ação da Hunter Douglas quanto a do Sr. Chris Carter são de conhecimento público e seguem rigorosamente as determinações da Legislação Brasileira e da Comissão de Valores Mobiliários (CVM).” E, finalmente, assegura que “quanto ao sr. Elias Guerra, que teria sido destituído da condição de advogado pela Hunter Douglas e que alega não ter recebido o valor acordado pelas partes, a Taurus, naturalmente, nada tem a informar, já que este é um contrato que envolve exclusivamente aquelas partes”.

Feitos os esclarecimentos da Taurus, agora é esperar pela decisão da 17ª Câmara Cível e pela investigação do Ministério Público Federal, solicitada pelo desembargador Gelson Stocker.

Uma primavera madrasta

{'nm_midia_inter_thumb1':'http://portal.jornaldocomercio.com.br/_midias/jpg/2015/09/25/120x83/1_pe_2797-357470.jpg', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'560598c574956', 'cd_midia':357474, 'ds_midia_link': 'http://furtadoferreira.com.br/wp-content/uploads/2015/09/1_pe_2797-357470.jpg', 'ds_midia': ' GEADA SOBRE PARREIAIS, FLORES DA CUNHA, 12-09-15, FOTO ROBERTO MOLON,, 12-09-15  ', 'ds_midia_credi': 'ROBERTO MOLON/DIVULGAÇÃO/JC', 'ds_midia_titlo': ' GEADA SOBRE PARREIAIS, FLORES DA CUNHA, 12-09-15, FOTO ROBERTO MOLON,, 12-09-15  ', 'cd_tetag': '1', 'cd_midia_w': '480', 'cd_midia_h': '319', 'align': 'Left'}

Geadas intensas queimaram brotos dos parreirais. ROBERTO MOLON/DIVULGAÇÃO/JC

Os primeiros dias de setembro e início da primavera estão sendo ruins para alguns setores agrícolas. As duas geadas registradas na primeira quinzena e depois a queda de granizo, na Serra e na Campanha, destruíram vinhedos, e alguns produtores falam “no maior desastre coletivo em toda a história da vitivinicultura” na região. Para alguns, sobrou pouca coisa. Já o excesso de chuvas e o granizo da segunda quinzena prejudicaram a produção de hortifrutigranjeiros, apodrecendo alfaces e perfurando as folhas dos repolhos e couves, e também atingiram o plantio do trigo, do milho e do arroz. No milho, alguns perderam tanto, que não vão replantá-lo, mas esperar pela soja. Os levantamentos ainda não foram feitos, mas fala-se em quebra da safra de inverno, como diz Paulo Pires, presidente da Federação das Cooperativas Agropecuárias-RS.

Azul em Passo Fundo

Ao que parece, o aeroporto de Passo Fundo terá um novo destino no verão. Nas redes sociais, o prefeito Luciano Azevedo afirmou ter a confirmação de que, entre dezembro e fevereiro, a Azul fará a rota entre o município e Florianópolis. O curioso é que, em entrevista ao Jornal do Comércio, o presidente da companhia, Antonoaldo Neves, antecipou que suspenderá em breve os voos entre Passo Fundo e Curitiba. Como também já não faz mais a rota até Porto Alegre há alguns meses, a partir de março, deverá sobrar apenas Campinas como destino aos clientes da Azul na região. Quanto a Uruguaiana, o deputado estadual Frederico Antunes (PP) garante que o voo começará no dia 27 de outubro.

Porto Seco

A estação aduaneira de Caxias do Sul, armazém alfandego que faz serviços de armazenagem e movimentações de cargas e contêineres para exportação e importação, ampliou seus equipamentos. A Porto Seco Transportes Ltda., que a administra, adquiriu uma empilhadeira “reach stacker” para movimentações de contêiner com capacidade para 45 toneladas. Somou-se às outras 16, cujas capacidades vão de 2,5 até 45 toneladas.

Clube do Churrasco

A onda dos clubes para fornecimento de produtos, favorecida pela internet, continua crescendo. Agora, surgiu o Clube do Barbacue, nome sofisticado para o tradicional churrasco. É um serviço de assinatura de carnes nobres. Os gaúchos organizadores se propõem a oferecer, a cada mês, aos associados, em sua casa, um corte de carne de alta qualidade, acompanhado por cervejas e vinhos especiais.

Trabalho

Será dia 1, em Brasília, a posse de Rogério Uzun Fleischmann como procurador-chefe do Ministério Público do Trabalho no Rio Grande do Sul. Ele foi eleito dia 22, em Porto Alegre.

Sescon-RS

A Green Card, empresa gaúcha do segmento de cartões-convênio, com mais de 100 mil estabelecimentos credenciados, firmou acordo com o Sescon-RS. Oferece a empresas filiadas do sindicato os benefícios dos cartões alimentação e refeição.

Painel Econômico
DANILO UCHA
Painel Econômico

Fonte : Jornal do comércio

Compartilhe!