Ana Pellini deve assinar licença ambiental neste ano

Ana Pellini deve assinar licença ambiental neste ano

JONATHAN HECKLER/JC

Um empreendimento bilionário do Grupo Bolognesi pode, em breve, dar um importante passo para sair do papel. A Fundação Estadual de Proteção Ambiental (Fepam) aguarda as últimas informações da companhia para dar prosseguimento ao processo de licenciamento de uma termelétrica, de um gasoduto e de um píer de Gás Natural Liquefeito (GNL) a serem construídos em Rio Grande. Além dessas estruturas, passará pelo processo de licenciamento o navio que transportará o gás até o Estado. A presidente da Fepam e secretária estadual do Ambiente e do Desenvolvimento Sustentável, Ana Pellini, estima que, tudo transcorrendo satisfatoriamente, as audiências públicas sobre os projetos acontecerão em outubro, e as licenças poderão ser definidas em dezembro. A usina terá uma capacidade instalada de 1.238 MW (cerca de um terço da demanda média de energia do Rio Grande do Sul) e, por contrato, teria que iniciar a geração de eletricidade até a data de 1 de janeiro de 2019. A companhia terá que correr bastante para cumprir o cronograma.

Segurança

O Tecon Rio Grande, terminal de contêineres do porto do Rio Grande, do Grupo Wilson Sons, comemora uma importante conquista. Completou 2 milhões de horas-homem sem acidentes de trabalho com afastamento. Essa marca habilita-o ao Prêmio WS , criado pela Wilson Sons para reconhecer a excelência na gestão de segurança de seus negócios.

Cervejas

Enquanto as grandes cervejarias estão enfrentando dificuldades para vender mais, as cervejarias artesanais não param de lançar produtos novos. A engenheira química Amanda Reitenbach e a cervejaria gaúcha Tupiniquim lançaram a Lógica Absurda, tipo Berliner Weisse, com diferenciais de ameixa vermelha e framboesa no sabor, produzida com trigo. Enquanto isso, a japonesa Kirim, dona da Schincariol e várias marcas, como Devassa, perdeu 25% do mercado, em 2015, caiu duas posições no ranking das mais vendidas e está negociando ativos para superar a crise. A empresa deve realizar um corte de custos de aproximadamente
R$ 200 milhões só neste ano.

Estágio

Estão abertas as inscrições para o Programa Internacional de Trainee do Grupo Andrade Gutierrez. Busca jovens recém-formados e com potencial de crescimento profissional, ambiciosos, criativos, ousados e que tenham mobilidade no Brasil e no mundo. Cadastros pelo site www.traineeag.com.

Cota Hilton

Pela primeira vez, em 10 anos, o Brasil atingiu mais de 90% da Cota Hilton com o embarque de 9,2 mil toneladas de carne bovina entre junho de 2015 e junho de 2016. Com isso, o País chega a 92,9% das 10 mil toneladas concedidas pela União Europeia ao Brasil na Hilton. A Cota Hilton é uma abertura especial para exportação de carne do quarto traseiro, de novilho precoce, criado a pasto e identificado, com preço mais alto que o pago pelas demais carnes.

Carne

Parece que agora sairá a sonhada possibilidade de vender carne in natura desossada para os Estados Unidos, proibida há muitos anos. Missão do Ministério da Agricultura, que está naquele país, tem detectado sinais positivos nas autoridades norte-americanas. Se a autorização sair, as exportações brasileiras de carne para os EUA, inclusive do Rio Grande do Sul, cujos frigoríficos já foram vistoriados pelos norte-americanos, terão incremento de US$ 900 milhões por ano.

Rumo aos EUA

O empresário Bernardo Thomaz, criador da rede de confeitarias Bella Gula, quer reunir 10 investidores dispostos a colocar US$ 50 mil cada um num projeto de expansão da rede para os Estados Unidos. A meta é a Flórida já em 2017.

 

Danilo Ucha –

Painel Econômico

Fonte : Jornal do Comércio

Compartilhe!