Na sexta, a máxima em São Paulo era de R$ 565. Nesta segunda, despencou para R$ 525

O início da colheita da terceira safra de feijão em Minas Gerais, Paraná e Goiás está pressionando os preços pagos pela saca do feijão carioca. Segundo a consultoria Safras&Mercado, a saca de 60 kg caiu R$ 40 em apenas um dia de negociação.
Na última sexta-feira, dia 1, a máxima na praça de São Paulo (SP) era de R$ 565. No fechamento desta segunda, dia 4, a máxima despencou para R$ 525. A tendência é que, a partir de agora, a pressão negativa continue nos preços.
Feijão no mercado físico (carioca – R$ por saca de 60 kg)
São Paulo (SP): 520-525
Pato Branco (PR): 300,00-450,00
Unaí (MG): 390-520
Primavera do Leste (MT): 460-510
Feijão no mercado físico (preto – R$ por saca de 60 kg)
São Paulo (SP): 290-300
Sobradinho (RS): 160-180
Mafra (SC): 190-200
Ponta Grossa (PR): 190-220
Mercado físico (soja e milho)
Com o feriado de 4 de julho (Dia da Independência) nos Estados Unidos, os preços dos grãos no mercado físico praticamente não tiveram negociações. Os valores ficaram inalterados em relação ao pregão anterior.
Soja no mercado físico (R$ por saca de 60 kg)
Passo Fundo (RS): 87
Cascavel (PR): 88
Rondonópolis (MT): 83
Dourados (MS): 81
Porto de Paranaguá (PR): 94,50
Porto de Rio Grande (RS): 91
Milho no mercado físico (R$ por saca de 60 kg)
Rio Grande do Sul: 55
Paraná: 38-40
Campinas (SP): 42-43
Mato Grosso: 27-30
Porto de Santos (SP): 35
Porto de Paranaguá (PR): 34
Dólar e Bovespa
O feriado nos Estados Unidos também deixou o mercado financeiro sem direção. O dólar terminou o dia cotado a R$ 3,266, com alta de 1,11%. O Índice Bovespa também subiu no pregão de hoje e fechou com 52.568 pontos, com valorização de 0,64%.

  • Economia
    • Larissa Pansani, com informações da Safras&Mercado
    • Canal Rural

Compartilhe!