Os ministros entenderam que as duas partes têm parcela de culpa: os pais, por falha na vigilância; e a empresa, por falta de segurança adequada.

Compartilhe!