A BRF confirmou ontem, em resposta à solicitação de informações feita pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM), que executivos da Tyson Foods, maior empresa de carnes dos EUA, visitaram fábricas da companhia no Brasil, conforme o Valor revelou na terça-feira.

Na segunda-feira, o CEO da Tyson, Donnie Smith, afirmou em teleconferência com analistas que a empresa voltará a investir no exterior, possivelmente nas áreas de carne de frango e alimentos processados, dois setores nos quais a BRF atua fortemente. Na ocasião, o executivo disse que o caminho para voltar ao exterior pode acontecer por meio de acordos ou parceiras.

Na resposta à CVM, a BRF também afirmou que a recente mudança na cláusula de proteção à dispersão acionária (a chamada ‘poison pill’) “não tem relação qualquer relação com as alegações veiculadas na mídia”. De acordo com a BRF, a mudança na poison pill da empresa foi pautada na busca por “melhores práticas de governança corporativa”.

Como o Valor informou na terça-feira, uma fonte próxima à BRF afirmou que o interesse da Tyson na empresa é a justificativa para a alteração na poison pill, aprovada em assembleia em 7 de abril. Na prática, a alteração ampliou a fatia de ações que investidores podem ter na BRF sem a necessidade de fazer uma oferta de compra para todos os acionistas da companhia brasileira. Antes dessa decisão, a poison pill era de 20%. Agora, é de 33,33%.

Por Luiz Henrique Mendes | De São Paulo

Fonte : Valor

Compartilhe!