Alexandre Guerra, do Sindilat

Alexandre Guerra, do Sindilat

Há muito tempo que se fala na necessidade de realizar uma campanha pelo aumento do consumo de leite, não só pelas qualidades benéficas do produto à saúde, mas também porque precisam colocar melhor sua produção. O Sindicato da Indústria de Laticínios do RS (Sindilat) levará à Fenasul 2016 um novo projeto de conscientização sobre o consumo de leite direcionado a escolas de Ensino Fundamental. Em parceria com a Secretaria da Agricultura, Fetag, Farsul, Senar e Ministério da Agricultura, as Oficinas Culinárias mostrarão às crianças a importância do leite na alimentação e o doce sabor que ele pode dar aos pratos mais simples. Nos dias 18, 19 e 20 de maio.

Talheres

A Tramontina, de Carlos Barbosa, foi buscar na costa italiana a inspiração para criar o conjunto de talheres Amalfitana, seu novo lançamento. Fabricados com lâmina de aço inox, têm cabos com dupla injeção e detalhes emborrachados decorados, que dão toque de frescor à mesa.

Prefeito Empreendedor

O empreendedorismo da administração realizada pelo prefeito de Gramado, Nestor Tissot, rendeu-lhe o bicampeonato na conquista do Prêmio Sebrae Prefeito Empreendedor – Categoria Melhor Projeto Região Sul. A entrega do troféu ocorreu na terça-feira, em Brasília.

Lucro

Enquanto as companhias aéreas brasileiras estão quase quebradas, a internacional Emirates, de Dubai, encerrou o 28º ano consecutivo de lucro. Registrou lucro de US$ 2,2 bilhões no ano fiscal que terminou em 31 de março de 2016, aumento de 50% em relação ao ano passado. A receita do grupo atingiu US$ 25,3 bilhões.

Tempos difíceis

Embora tenha obtido um lucro de R$ 3,111 bilhões, em 2015, a grande empresa BRF, com 110 mil trabalhadores em todo o País, não quer dar nem a inflação na reposição salarial e havia encerrado as negociações. Diante da ameaça de manifestações, resolveu reabri-las e vai rediscutir o assunto dia 6 de junho, em Curitiba. Uma das maiores companhias de alimentos do mundo, a BRF tem várias unidades no Rio Grande do Sul.

Diversificar

Há tanta volatilidade no mercado financeiro brasileiro, em consequência da crise política e econômica, que este não é o momento para se tomar decisões de longo prazo. O conselho é do especialista em finanças Alexandre Wolwacz, do Grupo L&S, sugerindo apenas diversificar os investimentos. Exemplificou com o que aconteceu na segunda-feira, quando o novo presidente da Câmara dos Deputados, Waldir Maranhão (PP-MA), anulou a votação do impeachment da presidente Dilma Rousseff (depois desanulada por ele mesmo). A volatilidade do mercado foi às alturas, e muita gente quebrou. O dólar subiu e baixou 130 pontos em menos de 15 minutos, e alguns contratos, os menores, tiveram variação de até R$ 17 mil em apenas 15 minutos. Este tipo de divulgação de medidas não deveria ser feito durante o pregão das bolsas de valores, segundo os operadores do mercado financeiro.

Concessões e PPPs

O governo Michel Temer (PMDB) deve transferir ao setor privado tudo o que for possível em matéria de infraestrutura. Além dos aeroportos, já em estudos de privatização, também seriam leiloados portos, rodovias e ferrovias. Para isso, já estão sendo estudadas novas regras, tornando as condições mais amigáveis aos investidores interessados, principalmente na questão das taxas de retorno. Mas, é claro, num governo Temer definitivo, isto é, daqui a 180 dias.

MARCO QUINTANA/JC

Danilo Ucha

Painel Econômico

Fonte : Jornal do Comércio

Compartilhe!