Fenasoja, em Santa Rosa (SC), expõe alternativas para geração de energia em propriedades rurais

NOTÍCIAS RELACIONADAS
Fenasoja começa com anúncio de safra de 16 milhões de toneladas de soja no RS
Fazenda transformará dejetos em energia elétrica
Um gerador movido a energia obtida do vento e alternadores que utilizam queda-d’água para movimentar equipamentos são algumas das alternativas para baixar custo de produção apresentadas na 21ª edição da Fenasoja, Feira Nacional da Soja, realizada em Santa Rosa (RS).

As soluções têm chamado a atenção dos visitantes do evento num momento em que os gastos com energia elétrica têm sido os principais vilões das propriedades agropecuárias. Produtores que necessitam bombear água para pivô, que mantêm lavouras de arroz ou granjas, por exemplo, apresentam consumo muito alto, e, por isso, têm vantagens ao buscar novas fontes de energia.

Para o investimento valer a pena, no entanto, antes de optar por uma tecnologia alternativa, o agricultor precisa observar se o local onde está instalado oferece mais vento, sol, ou água. Com esse cuidado, a economia aparece já na primeira conta de luz, e pode chegar a 90%.

“Se eu tiver um consumo diário de, digamos R$ 100 por dia, posso devolver até R$ 90 por dia para a concessionária. A energia produzida é convertida e jogada na rede elétrica. Então, tudo aquilo que eu produzo vai ser descontado da minha conta de energia elétrica no final do mês”, explica o técnico em eletromecânica Rafael Farinon.

Se na propriedade houver ventos constantes com velocidade a partir de 3 km/h, o produtor pode utilizar um gerador de uso domestico para gerar energia. Para os hortigranjeiros, há também a opção de utilizar um alternador movido por queda-dágua, que pode ser mantido em ativiade 24 horas por dia, afirma o fabricante Moacir Locatelli. 
Ele também oferece placas que captação de energia solar que podem gerar uma economia média de 150kW mensais. Cinco horas de sol diárias são suficientes para gerar 250kW, o que garantiria uma redução de R$ 150 por mês na conta de luz.

Um sistema híbrido, que utiliza duas fontes de geração de energia, também é uma opção interessante.

Bruna Essig, de Santa Rosa (RS)Canal Rural

Fonte:Canal Rural

Compartilhe!