Multinacional diz ter dificuldade para receber royalties e da depreciação da moeda local

NOTÍCIAS RELACIONADAS
Chuvas podem causar perdas de US$ 2 bi para produtores de soja argentinos
Perda de soja na Argentina pode chegar a 10 milhões de toneladas
USDA prevê queda de 3,28% na produção de soja ante 2015/2016
A Monsanto pode retirar da Argentina suas sementes transgênicas de soja, por causa da dificuldade para receber royalties e da depreciação da moeda local, disse o diretor comercial da empresa, Michael Frank. A companhia está discutindo com o governo argentino um plano de cobrança de royalties que seria necessário para recuperar investimentos em uma variedade geneticamente modificada de soja que pode repelir pragas. A Monsanto começou a comercializar essa variedade, chamada Intacta RR2, cerca de dois anos atrás na Argentina.

O governo do presidente Mauricio Macri, eleito em dezembro, vem questionando o modelo de cobrança de royalties adotado pela Monsanto. Sob esse modelo, alguns produtores pagam as taxas antecipadamente, enquanto outros pagam ao entregar a soja a operadores de grãos e exportadores.

Essas questões, junto com a deterioração do peso argentino, levaram a empresa a reavaliar seu negócio de sementes transgênicas no país. “Estamos fazendo uma revisão completa de nosso plano de negócios” no país, disse Frank durante uma conferência com investidores. Funcionários no ministério da agricultura da Argentina e na embaixada do país nos EUA não comentaram o assunto.

O país sul-americano foi responsável por 5,8% das vendas totais da Monsanto no ano fiscal 2015, incluindo sementes e pesticidas. O governo argentino, no entanto, autorizou agricultores do país a salvar e replantar a soja produzida a partir de sementes Roundup Ready, da Monsanto, o que levou a um aumento da quantidade de sementes piratas. A companhia já disse que não espera receber royalties por essas sementes.

No entanto, a Monsanto quer um desfecho diferente para a Intacta RR2. Segundo Frank, a maioria dos operadores de grãos estão testando a soja para determinar se elas contêm os novos genes da companhia. O executivo diz que esses testes fazem parte de um sistema que é legal na Argentina e que são necessários para garantir o pagamento pela tecnologia. “Vamos ser muito aplicados nos esforços para garantir nossos investimentos e propriedade intelectual”, afirmou.

Outros mercados

A Monsanto também enfrenta dificuldades em outros mercados. A União Europeia ainda precisa aprovar a importação de uma variedade transgênica da companhia, e tradings de grãos nos EUA já disseram que pretendem rejeitar a nova soja. Segundo as tradings, a nova variedade pode causar problemas no comércio internacional caso não seja aprovada pela UE até o início da colheita nos EUA. A Monsanto estima que aproximadamente 810 mil hectares serão semeados com a variedade neste ano.

Na Índia, uma joint venture entre a Monsanto em uma empresa local de sementes está reavaliando seus negócios após o ministério da agricultura implementar novos controles de preços para algodão geneticamente modificado.

Carlos Roberto Dellavalle Filho/Lagoa Vermelha (RS

Fonte: Canal Rural

Compartilhe!